quarta-feira, 31 de outubro de 2012

DOCE OU SUSTO

Naquele dia das bruxas, os meninos reuniram-se todos para festejarem os dias das bruxas. Mascararam-se a preceito com fantasias de fantasmas, de bruxas, de vampiros, de monstros, de feiticeiros, espantalhos e até de trapalhões, pintaram as suas caras com pinturas coloridas e com os seus sacos na mão iam tocando às campainhas das casas. -Doce ou susto – diziam mal as portas se abriam. E toda a gente com medo dos sustos que os meninos lhes pudessem meter, logo lhes davam rebuçados, gomas, chupas, bolachas e bolinhos. Estavam todos muito contentes, cantando e rindo com os seus sacos já quase cheios. Até que chegaram à última casa da rua. Era uma casa esquisita, muito velha, que parecia nunca estar lá ninguém. Mas a porta abriu-se mesmo antes de terem tocado à campainha. E apareceu uma velhinha muito bonita com um ar muito bondoso, que ficou muito contente por receber tantas visitas. Convidou os meninos a entrar e serviu-lhes chocolate quente, pão com doce e bolinhos acabados de fazer. Enquanto eles comiam, contou histórias de encantar, cantou canções de embalar, disse versos de rimar. E no final, fez aparecer bonecas que ofereceu às meninas e bolas que ofereceu aos meninos por entre mil bolas de sabão que suavemente desciam no meio de balões coloridos. Quando os meninos todos contentes se foram embora, depois de lhe terem agradecido convenientemente com muitos beijinhos e abraços, a boa velhinha solitária arrancou finalmente a sua máscara, fazendo aparecer a sua imagem real de bruxa horripilante. É que no dia das bruxas, elas também têm direito a mascararem-se.

Sem comentários:

Enviar um comentário